TV   FEDC - RS   Reclame   Programação   Destaques   Notícias   Variedades   Turismo   Entrevistas   Artigos   Recomenda  
         
 

Confiança do consumidor atinge nível mais baixo desde abril de 2009, diz FGV

 
 
Dezenove anos do Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90)
 
     
 



09/09/2009

Dezenove anos do Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90)
Associações e ministro do STJ pedem fortalecimento dos Procons

Rafael Branquinho
Seminário discute sugestões para aperfeiçoar o Código de Defesa do Consumidor.

Participantes do seminário sobre os 19 anos do Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90) afirmaram, na manhã de hoje, que o código é um instrumento jurídico equilibrado e que precisa de poucas mudanças, mas que ainda não é efetivamente aplicado.

Para facilitar a aplicação do código, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Herman Benjamin defendeu a concessão de mais poderes aos Procons, de forma que a Justiça só seja acionada em casos excepcionais. "Temos que encontrar um local onde o cidadão possa ser defendido", disse.

Representantes de associações de defesa do consumidor também pediram o fortalecimento do sistema nacional de defesa do consumidor. "Os Procons estão preparados para não funcionar. Falta estrutura e funcionários. Eu critico os estados pela falta de vontade política de dar eficácia a essas instituições", disse a presidente da Associação de Defesa da Cidadania e do Consumidor, Rosana Grinberg.

Segundo ela, a consequência de um Procon frágil é a transferência de todos os problemas envolvendo consumidores para a Justiça, o que adia a conclusão dos casos. "Algumas audiências são marcadas para dois meses mais tarde."

Mudanças pontuais
Para Herman Benjamin, o Código de Defesa do Consumidor necessita de poucas modificações. A primeira delas seria a derrubada dos vetos feitos à lei pelo então presidente Fernando Collor. "O Congresso deve fazer um acordo para derrubar esses vetos, que ainda não foram apreciados e são pontuais", disse.

Outra sugestão é para acrescentar ao código normas relativas à defesa do consumidor de serviços financeiros. Para Benjamin, esse assunto hoje é abordado de forma insuficiente.

Os participantes do seminário foram unânimes ao afirmar que o setor de serviços é o que mais precisa avançar no País no que diz respeito à defesa do consumidor. A assessora de Relações Institucionais do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Marilena Lazzarini, informou que as maiores reclamações feitas pelos cidadãos são contra setores regulados, principalmente o de telecomunicações.

"As agências reguladoras são ineficientes. Além disso, há uma sobreposição de legislações específicas que muitas vezes levam a interpretações prejudiciais ao consumidor", disse Marilena Lazzarini.

Avanço
Apesar de reconhecer a necessidade de uma melhor implementação do Código de Defesa do Consumidor, os participantes do seminário lembraram que a lei significou um avanço importante para o País e refletiu no comportamento de consumidores e empresas.

"O código foi promotor da eficácia do processo industrial brasileiro, que se preparou para competir no mercado internacional, mesmo sem saber", disse o ex-deputado Joaci Góes, que foi relator do código na Câmara.

O presidente da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado, senador Renato Casagrande (PSB-ES), lembrou que as empresas que não mudaram suas atitudes perderam em competitividade.

Já o diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça, Ricardo Morishita, pediu aos parlamentares que elaborem um documento de análise do atual estado de defesa do consumidor. Esse documento serviria para aperfeiçoar o processo.

Na opinião de Morishita, é preciso divulgar nomes de empresas que não respeitam os direitos dos consumidores. "Essas empresas, assim como as boas, merecem ter seus nomes marcados na história", disse Morishita. O ministro Herman Benjamin também disse ser favorável a essa medida.

O seminário prossegue nesta tarde, no auditório Freitas Nobre, na Câmara. O evento está sendo promovido pela Comissão de Defesa do Consumidor para identificar os principais problemas enfrentados pelos consumidores e aperfeiçoar o código.

O debate foi sugerido pela presidente da Comissão de Defesa do Consumidor, deputada Ana Arraes (PSB-PE). Durante a manhã, também participaram do seminário a coordenadora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste), Maria Inês Dolci, e o presidente do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Inadec), deputado Celso Russomanno (PP-SP).

Confira a programação

Fonte: Agência Câmara
Autor: Noéli Nobre
Revisão e Edição: Pierre Triboli


Imprimir Enviar link

   
 
Comentários
 0 comentários


   
       
     




 

 
 
 
   
 
 
   
 
 
 
   
 
 
   
 
 
         
© 2009 Consumidor RS - Direitos reservados